08 fevereiro 2016

Para quem não sabe quando desistir

Quantas vezes eu fui dormir pensando em desistir, em jogar a toalha e deixar tudo para trás, deixar para quem tem mais força e coragem para suportar toda essa mágoa. Quantas vezes eu me esforcei para ser uma garota decidida e confiante para responder a sua mensagem de ‘bom dia’ da forma mais seca e distante possível. Já nem consigo lembrar quantas vezes eu tentei demonstrar que já não aguentava mais.

Foi inútil. Você tem razão em me chamar de teimosa.

Tem quem não saiba a hora de aceitar que já não dá mais, que é hora de ir embora. Percebi tarde demais que eu sou assim. Há quem acredita que isso é uma qualidade que poucos carregam consigo, mas vamos ser sinceros: não há nada mais desgastante, nada que te prove das formas mais variadas que existem outros caminhos até mais fáceis e tranquilos. Bobagem essa de querer acreditar que só existem coisas boas, de ter medo de se arrepender por ter desistido sem insistir um bocadinho mais.

Minha mãe tentou me ensinar que não devemos esperar demais das pessoas, que não devemos esperar demais por alguém. Talvez de todas as coisas que ela já me disse, essa tenha sido a mais importante e mesmo assim, eu (ainda) estou aqui.

A verdade é que todas as vezes que eu me pego olhando para você, quando presto atenção na forma como você me olha de volta, são nesses pequenos momentos em que eu não consigo acreditar que é tudo mentira. Não posso e nem quero acreditar que não existe nada além de onde estamos hoje.
07 fevereiro 2016

Em cartaz: filmes para curtir em fevereiro

Faz muito tempo que não paro para olhar os lançamentos do mês, mas como 2016 promete filmes incríveis, separei algumas das estreias de fevereiro.



Hugh Glass (Leonardo DiCaprio) parte para o oeste americano disposto a ganhar dinheiro caçando. Atacado por um urso, fica seriamente ferido e é abandonado à própria sorte pelo parceiro John Fitzgerald (Tom Hardy), que ainda rouba seus pertences. Entretanto, mesmo com toda adversidade, Glass consegue sobreviver e inicia uma árdua jornada em busca de vingança.





Cinebiografia de Lili Elbe (Eddie Redmayne), que nasceu Einar Mogens Wegener e foi a primeira pessoa a se submeter a uma cirurgia de mudança de gênero. Em foco o relacionamento amoroso do pintor dinamarquês com Gerda (Alicia Vikander) e sua descoberta como mulher.





O ex-militar e mercenário, Wade Wilson (Ryan Reynolds) é diagnosticado com câncer em estado terminal, porém encontra uma possibilidade de cura em uma sinistra experiência científica. Recuperado, com poderes e um incomum senso de humor, ele torna-se Deadpool e busca vingança contra o homem que destruiu sua vida.





Cinco histórias de amor entrelaçadas em uma rede amorosa na cidade de São Paulo, percorrendo pela intimidade das relações, por corações ansiosos por um novo amor e desejos conectados na busca da concretização de todos os sonhos.

28 janeiro 2016

A Cabana (Willian P. Young)


Já disse algumas vezes por aqui, mas acho extremamente difícil falar sobre um livro que foi capaz de me fazer pensar e repensar tantas coisas ao mesmo tempo. É como se qualquer descrição que eu tente fazer não fosse capaz de mostrar a sua importância.

São poucos os livros que possuem essa magia. Poucos autores conseguem tocar o leitor de forma tão profunda. E encontrar um livro capaz de te trazer esse sentimento torna a sua vida mais feliz. Exagero? Talvez. Acho que é o mais próximo que consigo chegar de descrever o que alguns livros já me fizeram sentir.

Enfim.

O livro de hoje não está entre os últimos lançamentos, mas está entre os mais vendidos. Sempre tive curiosidade em conhecer um pouco mais sobre essa história e não me arrependo muito de não ter lido antes.

Se você odiar esta história, desculpe, ela não foi escrita para você.

A Cabana” traz a história de Mackenzie Allen Philips, homem religioso e que carrega uma dor imensa. Foi durante um passeio de família em que Missy – a filha mais nova de Mack – desapareceu. Mais tarde, indícios levam a acreditar que a garotinha foi sequestrada e brutalmente assassinada em uma cabana abandonada. Uma perda que deu início a “Grande Tristeza”, fazendo com que Mack perdesse a fé e culpasse Deus pela morte da sua garotinha.

Deus não precisa castigar as pessoas pelos pecados. O pecado já é o próprio castigo, devora as pessoas por dentro. O objetivo de Deus não é castigar, Sua Alegria é curar.

Quase quatros anos depois, Mack recebe um bilhete misterioso irá convidá-lo a retornar a mesma cabana. Intrigado, ele acredita que foi Deus quem enviou o bilhete, ou mesmo o assassino da sua Missy. Disposto a desvendar esse mistério e enfim conseguir respostas para sua “Grande Tristeza”, Mack resolve retornar a cabana, dando início a sua pequena jornada para conseguir as respostas que sempre buscou.

Um Deus infinito pode se dar inteiro a cada um de seus filhos. Ele não se distribui de modo que cada um tenha uma parte, mas a cada um ele se dá inteiro, tão integralmente como se não houvesse outros.

Uma história para ler com a mente aberta, sem preconceitos, sem julgamentos. Willian P. Young apresenta um conceito de fé tão real e ao mesmo tempo diferente do que estamos acostumados. Não é um livro sobre religião, sobre certo ou errado. Este é um livro sobre amor, sobre o seu relacionamento com Deus. Se decidir ler, faça de coração aberto, disposto a refletir sobre a história. Do contrário: este livro não foi escrito para você.