Resenhas

Trago seu amor de volta sem pedir nada em troca Ique Carvalho Ler a resenha
As Coisas Que Fazemos Por Amor Kristin Hannah Ler a resenha
Fortaleza Impossível Jason Rekulak Ler a resenha
Os Três Sarah Lotz Ler a resenha

Slide

Os lançamentosda Editora Arqueiro Confira a lista de livros que serão publicados neste mês! A editora traz livros incríveis para este final de ano.

A MALDIÇÃO DE HOLLOW (NORA ROBERTS) O tempo está acabando. Com o sétimo mês cada vez mais próximo, os nossos seis amigos precisam encontrar algo que detenha Twisse. A cada dia eles conseguem sentir o demônio cada vez mais forte e desta vez ele está usando o medo de cada um para tentar derrota-los.

A CASA DO LAGO (KATE MORTON) "A Casa do Lago" é um romance recheado de mistérios e aventuras. Nele você irá conhecer, a partir do ponto de vista de cada personagem, o mistério que envolve a famosa casa da família Edevane na Cornualha.

Daqui alguns anos

Postado por:

Tags:

Imagem fonte
De vez em quando a gente imagina como serão as coisas daqui alguns anos. Fazemos planos, traçamos metas, escolhemos sonhos e quem fará parte desse futuro almejado. Imaginamos que teremos exatamente o que desejamos hoje. Lugares, pessoas, amores, tudo devidamente planejado como um roteiro perfeito com o mais lindo final feliz. Estranho seria se nada disso acontecesse.

E se de repente aquele curso perfeito com o qual você sonhou a vida inteira não fosse tão perfeito? E se ao invés de aquela festa incrível com os amigos, você tivesse feito uma viagem, não menos empolgante, mas não tivesse com quem compartilhar? E se aquele tão esperado príncipe encantado não fosse tão encantado assim? Você já pensou o que faria se todos os seus objetivos e sonhos fossem bagunçados e trocados no meio do caminho?

Às vezes eu penso se realmente vale a pena se importar tanto com um futuro tão incerto. Afinal, tudo o que fazemos é escolher um caminho. Escolhemos sem nem ao menos imaginar o que encontraremos no final. Me parece assustador. Sou do tipo que nunca confia inteiramente em algo. Sei que há muitas pessoas assim, talvez você também seja. Mas confesso que sinto um pouco de inveja de quem é capaz de escolher um caminho e segui-lo sem medo e confiante de encontrará somente coisas boas. Loucura? Talvez. Mas tenho certeza que esses escolheram a forma mais leve de viver.

Dezoito primaveras


Ainda estava escuro quando acordei. Senti uma brisa de leve, era calmo. Aquela serenidade eu não sentia há tempos. Fiquei quieta e mantive a posição na cama de lençóis brancos gelados. O cobertor gigante, chegava a cair da cama. Meus pés pequenos, estavam cobertos com meias cinzas, enquanto a janela estava um pouco aberta, permitindo o vento gelado amadurecer o quarto.

Fiquei por instantes com a mente presa nos detalhes. Durante as seguidas dezoito primaveras, eu não deixei de esquecer as inquietações. O inverno acabara e de certa maneira, eu ainda me sentia nele. Aquela tua insegurança causava o meu caos. O sol estava nascendo e eu não fazia ideia de como encará-lo. Me aconchegava na cama. Ajustava o travesseiro gelado e tentava não forçar a respiração.

Fechei os olhos e voei. Nada de turbulência em meio ao surgir das folhas. Aquela fazenda sabia como retirar de mim pedaços que nunca imaginei em obter. Ficava tentando consertar o presente sem sequer imaginar o que poderia ganhar dele. Em casa, as coisas não estavam fáceis apesar do silêncio se mostrar mais fortes aos sábados. A única coisa que desejava era o fim da tarde, as flores, e as fotos. Gostava de uns goles de café com livros preguiçosos também.

Me virei contra a parede. Meus olhos estavam pregando de sono por conta da ausência dos sonhos. Às vezes, tudo isso chegava a me fazer acreditar que meu corpo preferia a realidade. E sem querer, doía. Sentei, e ajeitei o edredom. Peguei um moleskine velhinho de capa vermelha e comecei imaginar o desenho. Estava escuro, acabei perdendo o caminho.

Primaveras sempre me faziam bocejar. Era uma preguiça que até o Abel gostava. Aquele gato só me tirava do sério em momentos de fome, como sempre. Surpresa! A luz começava a surgir e eu despertava. Tentava não parar os movimentos. Me espreguiçava e respirava fundo. O quarto continuava gelado, assim como os teus braços também.

Matheus Carneiro.
blog / twitter / facebook / instagram
O que vocês acharam do texto do Matheus? Eu particularmente amei! Em breve teremos mais. : )

Só mais um clichê qualquer

Postado por:

Tags:

Imagem fonte
A verdade é que não damos importância para tudo que temos ao nosso lado. Escutamos diversas vezes que só sentimos o valor de algo quando perdemos, mas acho que a teimosia é maior. Talvez o orgulho ou a confiança de que tudo sempre estará do mesmo jeitinho não nos deixe reconhecer que tem pessoas e coisas a nossa volta que não poderão estar aqui para sempre.

Nascemos com a única certeza de que tudo acaba. Pode ser hoje ou amanhã, não importa quando ou como. Às vezes acho que isso deveria ser o suficiente para que cada dia nós pudéssemos sair de casa carregados de felicidade por termos mais um dia em meio a todos que amamos, quando há pessoas que não tiveram a mesma sorte. Pode parecer meio clichê, mas no meio a tanta correria do dia-a-dia não pensamos nisso. Deixamos que coisas ruins e tão banais controlem o nosso rumo.

Não deveria ser tão difícil assim não é? Mas não dá para deixar tudo programado. Não é como quando você tem algo para fazer no dia seguinte e deixa tudo anotadinho para dar tempo de cumprir tudo. Talvez apareça algo no meio do caminho que te faça virar a direita e não mais para a esquerda. As coisas mudam, as pessoas mudam. Não que isso seja ruim. Pelo contrário, pena de quem passa por essa vida sem ter experimentado o gosto de mudar tantas vezes. Sem experimentar o gosto do inesperado.

Para escrever by Michelly Melo on Grooveshark
Desculpem a ausência, mas as coisas estão bem corridas por aqui. :( Beijos

Beatles: Para não esquecer

Postado por:
Todo mundo tem aquela música que gruda feito chiclete. Daquelas que você é capaz de passar o dia cantarolando sem nem perceber e quando você pensa que conseguiu se livrar daqueles mesmo versos repetitivos, tchanam! Ela está de volta. Na minha opinião essas são as melhores. Do tipo que deixa tudo mais bonito, que contagia. Sempre digo que existem músicas que são conseguem mudar o humor de qualquer um. Independente da música, de quem canta, ou do estilo... Ninguém escapa. E aqui vai algumas das que eu nunca esqueço. :)



Yellow submarine! <3 Lembrei da fofa da Ágata, do Tudo Tem Refrão!





Beijos!

Mais uma vez, Mi?

Pois é, eu sei. Não fazia muito tempo que eu já tinha trocado o layout, mas assim como eu sempre digo: o blog é um espelho do blogueiro e as coisas mudam. Por isso senti a necessidade de trocar tudo. Acho que este é o primeiro layout que mostra muito mais do que eu sou do que todos os outros que já passaram por aqui. Desde as cores até as páginas internas combinam muito com o que eu sou hoje.

Já tinha preparado essa versão há algum tempo, mas faltava algumas coisas que eu ainda queria mudar. E com a correria por causa da faculdade e de alguns trabalhos acabei adiando tudo. Mas enfim. Espero que vocês tenham gostado!
Post bem pequenininho, então aí vai uma música para dar uma animada na semana!


Clarice Falcão sempre fofa

Sonzinho para o final de semana

Postado por:

Tags:

Já faz algum tempo que não posto nenhum playlist aqui no blog. Apesar de correria do dia-a-dia não dá para ficar sem escutar aquela lista ou música preferida. Pois então, separei algumas das minha favoritas para você. Essas são as que eu sempre escuto quando tenho algum trabalho para fazer ou quando vou escrever algum post para o blog.







Beijos!

O mais pedido para o Dia das Mães: Tablet

Esse artigo é um oferecimento da equipe do Magazine Luiza ao Dezoito Primaveras.
Escolher o presente perfeito para o Dia das Mães é muitíssimo mais fácil graças à internet e aos avanços da tecnologia. Isso porque, além de serem úteis para disponibilizar informações gerais sobre cultura, entretenimento e assuntos diversificados, as mamães mais modernas podem usar a web e alguns eletrônicos a seu favor em tarefas corriqueiras, no trabalho ou mesmo para facilitar o dia-a-dia.

Exatamente por isso os tablets estão entre os presentes mais pedidos para essa data comemorativa, ficando a frente de produtos como os smartphones e notebooks. Pensando nisso, o que pode ser melhor do que o aparelho para presentear esse alguém tão especial?

Eles podem ser usados para leitura de notícias, livros, receitas, curiosidades e novidades, assim como servem também para deixar as atividades cotidianas mais fáceis. Como, por exemplo, é o caso do Smart Tablet T-704, que possui tela de 7 polegadas, acesso à internet e para completar, oferece mais de 450 mil aplicativos e ferramentas disponíveis para download no Google Play.

Esse modelo conta ainda com sistema operacional Android 2.2, igual ao Smart Tablet T-804, que permite também criar, abrir e editar arquivos do Microsoft Office, acessar contas de email do Google, navegar na internet e dar uma conferida nas redes sociais.

Moderno e útil, o tablet pode fazer o Dia das Mães muito mais especial.

Entre as outras funções dos tablets citados estão internet Wi-Fi, duas entradas USB, memória interna expansível (até 32GB), suporte para modem 3G e memória RAM de 256 MB.

Sendo assim, basta apenas escolher o modelo que melhor se adéque às necessidades de cada mãe, mesmo que seja escolhendo aquele tablet super funcional e fofo, que combine com uma personalidade mais delicada, ou aquele bem moderno e equipado, para as mulheres modernas e ligadas à tecnologia.

O mais importante, no entanto, é fazer com que o Dia das Mães seja inesquecível e agradável a todas as mães, sejam elas biológicas ou de coração, afinal, elas cuidam de seus filhos durante toda sua vida com muito carinho e cautela, retribuir às vezes não faz mal algum.

Crédito da imagem: Magazine Luiza

Como cozinhar sem receitas (Glynn Christian)



Acho que faz mais ou menos dois meses que eu recebi esse livro da Editora Gutenberg e assim como eu já disse aqui, não com a falta de tempo só consegui terminar o livro essa semana. Mas é como dizem: antes tarde do que nunca, certo?

No livro o chef inglês Glynn Christian ensina como conhecer melhor os alimentos e como criar pratos deliciosos sem seguir uma receita ao pé da letra. Confesso que eu achava que seria uma tarefa impossível, afinal para quem não tem afinidade com a cozinha não pode simplesmente esquecer algo que eu considerava ser tão importante: a receita. Acontece que eu me surpreendi com a forma como o autor mostra que aprende-se a cozinhar cozinhando a mesma coisa cem vezes, e não cozinhando cem coisas uma única vez.

Apesar de a leitura ter sido pesada por ter muitos detalhes que eu acho que uma pessoa com mais conhecimento em culinária do que eu possa entender melhor, além do fato do autor ter citado receitas e ingredientes um tanto complicados para alguém que não conhece nada do mundo gastronômico, mesmo assim eu gostei demais de ter lido.

Neste livro você vai aprender que seguir uma receita passo a passo, ainda que a receita seja sua, é certeza de uma comida ruim. E que o importante é saber reconhecer o sabor do que você está preparando e seguir os seus instintos na hora de cozinhar. A única receita aqui é usar e abusar da liberdade de improvisar e para isso o autor mostra como saber com o que cada ingrediente combina, quais se complementam.





Agora o que não dá para deixar de lado é a diagramação do livro. É incrível! Os espaçamentos ajudam bastante na leitura e as folhas são grossas, o que também ajuda.

Como cozinhar sem receitas” é uma ótima leitura para qualquer um que goste de cozinhar, mesmo que apenas naquelas datas importantes ou para família e amigos.

Onde comprar: Saraiva / Livraria Cultura / Submarino

***

Beijos!

Algumas mudanças...


Imagem fonte
Com a correria que tem sido essas últimas semanas foi difícil pensar nos posts do blog. A faculdade tem ocupado a maior parte do meu tempo e para falar a verdade, sinto que mesmo me esforçando tanto os resultados não chegam. Não sei, mas às vezes eu me pego pensando se fiz a escolha certa. Se eu me encaixo nesse curso, mas no fundo eu não me vejo fazendo outra coisa. Acho que não podemos insistir tanto em algo se não for o que realmente queremos, certo? Pois é. Acho que por estarmos em constante mudança esses pensamentos passem pela gente de vez em quando.

Como eu estava um tanto sem criatividade para escrever, resolvi dar uma olhada nos posts mais antigos do blog e percebi como as coisas mudaram tanto desde que tudo começou. Os meus primeiros texto eram cheios de sentimentos e mostravam muito de uma menina um tanto carente e tímida. Não que hoje eu não seja mais assim. Talvez eu seja menos carente, mas com certeza ainda sou muito tímida! É só que as coisas mudaram. Não há espaço para alguém assim. Descobri que eu tive de mudar muito e por causa disso, eu deixei muita coisa que eu não queria para trás. Acho que ainda estou tentando descobrir o que aconteceu para as coisas terem mudado tanto. É como se eu tivesse me perdido no caminho.

Acho que o layout do blog é um exemplo de todas essas mudanças. Para quem me acompanha há mais tempo, sabe que eu já mudei muitas vezes as coisas por aqui. Eu já disse uma vez e acho que isso não acontece só comigo, mas o blog deve ser algo que mostre a verdadeira essência do autor. Ou deveria ser. Quando eu criei o 18 primaveras a minha intenção era que fosse um espaço meu. E é nisso que eu sempre penso quando eu vou começar a escrever um post novo. É difícil não dizer que eu sinto falta de quem eu era há um ano, mas sei que ainda virão muitas mudanças. Boas e ruins. Faz parte da vida. O meu único medo é de me decepcionar com quem eu vou ser amanhã.


***
Falando em mudanças, fiz alguns pequenos ajustes no layout do blog. Como por exemplo o logo e a área de postagem que já estavam me incomodando faz algum tempo. Espero que gostem!

Beijos!
DEZOITO PRIMAVERAS - ONLINE DESDE 2012. DESIGN E PROGRAMAÇÃO POR MICHELLY MELO (Eu!). Todos os direitos reservados