Via Flickr

Quando o despertador tocou hoje mais cedo foi uma luta silenciosa: levantar e garantir que eu consiga sair de casa no horário ou apertar o botão e garantir mais cinco minutos de sono? Todos os dias me faço a mesma pergunta e a resposta é sempre a mesma. Levanto e me preparo para encarar o dia. Sempre fui o tipo de pessoa que se prende muito aos horários. Sempre pontual. Aquele orgulho idiota de poder falar: Isso eu vou poder contar para os meus netos! Bobagem.

Às vezes me divirto pensando assim. Algumas coisas se tornam melhores quando colocamos um pouco de graça (um pouquinho de ironia faz bem também). Não que eu seja a pessoa mais engraçada do mundo (já aceitei o fato de que eu não sou), mas pelo menos me ajuda a sair de casa um pouco mais feliz por ter que enfrentar toda aquela multidão da cidade de São Paulo, que tenta chegar no horário no seu destino.

Isso me faz pensar em como algumas pessoas já saem de casa com aquele humor “divino”. Aquele ar de: “Tá olhando o que?”. Sério, precisa mesmo de tudo isso às oito horas da manhã? Minha mãe sempre me disse que nós atraímos aquilo que pensamos e desejamos aos outros. Quando eu era criança não entendia direito o significado. Mas é como dizem: a vida trata de ensinar.