Imagem via flickr
Três anos atrás eu poderia dizer com toda a certeza do mundo que a vida não era esse bicho de sete cabeças que todo mundo pinta. Eu estava no último ano do Ensino médio e doida para começar a faculdade de uma vez. Tinha 17 anos. Não trabalhava e não tinha medo da prova do vestibular, mas tinha um medo danado de decepcionar os meus pais caso eu não passasse. Eu não passei. Não de primeira. Foi no meio do ano seguinte que a tão esperada lista saiu. Nem preciso explicar a felicidade que é ter um sonho realizado, mas aquele foi diferente.

De lá para cá, muitas coisas mudaram. Não só na minha rotina, como nos meus objetivos. Aquela preguiça boa de poder estar em casa e só ter que estudar ficou para trás. Poderia até dizer que enfim é uma “vida de gente grande”, mas acho que não é só isso que conta.

No meio do caminho tive que aceitar que é preciso mudar para chegar onde quero. Mas também aprendi que é preciso coragem para entender que o que precisamos nem sempre é o que teremos. Sei que ainda vou bater muito com a cabeça para entender certas coisas, mas sei que algumas também eu vou tirar de letra. Acho que esse é significado de ter uma “vida de gente grande”. É saber que vai além das responsabilidades... que significa mudanças.