Bobagem essa de querer planejar tudo. De não aceitar qualquer mudança inesperada durante o caminho. Mania irritante essa de querer controlar tudo o tempo todo. Como se depois de tantos anos não tivéssemos aprendido que é um esforço em vão. Inútil, desnecessário. Você não pode planejar cada segundo da sua vida como se fosse o roteiro de uma novela. Não dá para assistir do sofá, controlando e presenciando cada mudança de cenário, de personagens. Quem me dera fosse tão simples assim. E indolor.

O ser humano é um bicho imprevisível. E não estou falando apenas das pessoas a nossa volta, você também é. É impossível prever cada reação que teremos. O que acreditamos ser nem sempre corresponde com a forma que agimos e (vale lembrar) isso não é errado. Errado é ficar parado, esperando a mudança surgir. Errado é deixar um sentimento sincero, verdadeiro, se perder.

Nunca fui do tipo que acredita em clichês como: as pessoas precisam perder para dar valor. Por favor, qual o sentido nisso? Acredito sim que todos nós sabemos exatamente o que temos, sabemos o que sentimos e falta que faria. Acredito que o que nos impede de viver cada instante como queríamos é o medo que carregamos. Seja ele qual for. Cada um sabe o que te prende e o que te segura à felicidade. Alguns têm medo de perder sua liberdade, outros de magoar alguém ou pior, de magoar a si mesmo. Talvez receios ainda menores (ou maiores).

O que nos torna diferentes é o que decidimos fazer com esse medo. E nesse clichê eu acredito: a vida é feita de escolhas.