Cheia de incertezas

Faz alguns dias que estou tentando buscar ideias, talvez até mesmo vontade para voltar a escrever. Sempre soube definir muito bem o que sinto quando escrevo, mas isso foi há muito tempo. Não que as coisas estejam de cabeça para baixo, que a mudança tenha sido grande, porque não é assim. Eu me sinto inconstante, mais do que jamais fui. Em um instante a certeza bate a porta com toda a força, daquele jeito como quem diz: “Cheguei para ficar!” e no momento seguinte já se foi, dando lugar a incertezas, ao medo e até a uma certa tristeza.

Já tive mais coragem, mais firmeza com o que eu quero, mas o medo de perder vem me consumindo ao poucos. Sabe aquele sentimento bom que te faz sentir completo? Não, não estou querendo parecer romântica, pelo contrário, estou tentando ficar o mais próximo da realidade que eu consigo. É por me sentir assim que o medo está sempre a minha espreita, só esperando uma oportunidade para me mostrar que tudo pode vir abaixo quando menos esperar.

Isso me assusta e me deixa com um pezinho atrás me impedindo de ser o que sempre fui, me impedindo de mudar e seguir em frente.

3 comentários:

  1. Sei muito bem como você se sente. Escrever também sempre foi meu escape, meu jeito de explicar melhor as coisas, mas às vezes a nossa cabeça anda tão louca que nem isso parece querer se organizar direito. Amei o seu blog, estou seguindo <3

    http://nostalgiacinza.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Mi... Isso vai passar!
    Acho que todos nós passamos por isso pelo menos uma vez na vida...
    Mas, por pior que seja a situação, sempre há algo bom. Tente ver o que esse bad moment pode lhe proporcionar de bom, e prepare-se para rir disso tudo num futuro próximo...
    Beijos!

    Fabíola Carvalhais
    http://www.pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Nossa, como eu te entendo... Nem queria te entender tanto, rs.
    Mas, sabe, uma hora isso vai passar. Às vezes passa rápido, às vezes bem devagar, mas o melhor a se fazer é segurar a mão da incerteza e enfrentar o medo. Aceitar as fraquezas, as derrotas, levantar a cabeça e estar disposta a cair de novo, se for preciso. "E se tropeçar, do chão não vai passar. Quem sete vezes cai, levanta oito", como já diria nosso amigo Tiago Iorc. A gente aprende muito com essas fases onde tudo parece que vai dar errado (vai por mim, eu tô aprendendo ainda, RISOS). Uma hora Murphy cansa da gente e tudo no final dá certo! Sempre antes do arco-íris, temos a tempestade, não se esqueça.
    Ôxe, tô muito motivacional hein... Abraços!

    ResponderExcluir