Foi como adormecer. A saudade foi ficando cada vez mais próxima, chegando perto como quem não quer nada. Quando me dei conta, as lembranças já estavam ali, não podia fugir. No fundo ainda acho que não queria fugir, queria estar ali e em nenhum outro lugar.

Foi como te ter por perto de novo e sem precisar dividir com mais ninguém. Sei que parece coisa de criança que quer a atenção toda para ela, mas pode acreditar, não é só birra. Não é um capricho bobo, desses que logo a gente esquece, substitui por outro. Você foi e ainda é o meu melhor desejo. Um daqueles que pedimos todas as noites para que o universo dê um empurrãozinho para que aconteça.

Deu saudade. Uma saudade enorme.

Temos a mania de não perceber a importância de tudo o que está a nossa volta. Não, eu não vou entrar naquele clichê que "só se dá valor quando perde". É mentira, eu não acredito nisso. Mas esse é um assunto para outro texto. O que quero dizer, mesmo que de um jeito meio torto, é que não lembramos de dizer o que sentimos enquanto estamos perto. Às vezes quando você volta para casa à noite e percebe o quarto vazio é que você lembra o quanto o coração está cheio. Cheio de amor e de carinho que ficaram presos na correria do dia.