#Resenha O Garoto Quase Atropelado (Vinícius Grossos)


Um livro que me surpreendeu. Aprendi a gostar das histórias do Vinícius pela realidade que elas demonstram e com este livro não foi diferente. Apesar de o autor ter abordado um tema pesado, a história acontece de forma leve e rápida.

Em "O Garoto Quase Atropelado" você irá conhecer um menino de dezessete anos com uma dor irreparável. Já na introdução o autor deixa um recado ao leitor para que ele não procure pelo nome do protagonista. Ele pode ser qualquer um. Pode ser algum desconhecido ou mesmo alguém que você reconheça durante os capítulos. A dor do personagem é real e pode ser vivida por qualquer pessoa.

Depois de a sua vida ter desmoronado sem ao menos permitir uma despedida, ele precisou deixar a escola e de visitas regulares com uma psicóloga. Com muito esforço, ele resolve atender ao pedido de Cristiane – sua psicóloga - e começa a escrever um diário. Por trinta dias, ele deverá escrever tudo o que sente e o que acontece em sua vida, ou apenas servir como um impulso de coragem para falar sobre a dor que está sentindo. Assim começa o seu desafio e ao ser quase atropelado por um carro enquanto andava de bicicleta pelo condomínio, a sua vida começa a seguir um novo caminho.

Três novos amigos o farão se sentir vivo novamente. Uma amizade forte e intensa que irá mudar completamente a sua vida. Não encontrei algo clichê nessa história. Nada que mostre uma amizade perfeita e capaz de vencer qualquer obstáculo. Pelo contrário, serão quatro pessoas com seus segredos e dores que, sem que percebam, farão da amizade uma rota de fuga e um novo caminho para entender seus próprios medos. Entre os capítulos os quatro viverão boas aventuras repletas de romance, descobertas e perdas.

Amigos podem ajudar em muitas coisas, garoto quase atropelado, mas quando encontramos uma batalha real e íntima com a vida, só nós mesmos podemos enfrentar essa luta e nos salvarmos... Não que os amigos não possam falar e tentar mostrar um caminho melhor, por assim dizer... Mas a gente só sai vencedor dessas lutas se nós próprios quisermos.

O tema principal do livro é a morte e as diferentes formas de lidarem com elas. Como disse, apesar de ser um tema pesado, o Vinícius soube apontar o assunto em diversos momentos da história, de uma forma que o leitor seja capaz de se identificar com a dor da personagem.


O fato do protagonista não ter um nome foi algo que passou despercebido para mim. Não sei se por ter lido na introdução, ou pelo fato dos outros personagens também aparecerem com apelidos, algo sempre relacionado a suas características. Foi um detalhe incrível. Assim como o fato do Garoto quase atropelado ter como ponto de fuga a escrita. Algo que começou por uma obrigação acabou se tornando um meio de superar os próprios traumas. E nesse ponto eu me identifiquei demais com ele.


Alguns pontos da história você poderá relacionar a outros livros conhecidos. Independente disso, o ponto forte do livro é a forma como ele é capaz de ter emocionar, de te fazer sentir cada momento feliz ou triste da narrativa. Além da forma surpreendente como os fatos se desenrolam através dos capítulos.
  1. Mi, esse livro está na minha wishlist há tempos, coloquei lá porque me interessei pelo título, porém foi isso! Agora, lendo seu post, fiquei com mais vontade de ler ainda!
    Cheiro de Pipoca

    ResponderExcluir
  2. Ahhh, eu adorei sua resenha e me interessei pelo livro! É muito livro legal pra ler e pouco dinheiro pra comprá-los, viu?
    Eu gosto de livros que abordem esse tema (com o devido cuidado, claro) e que tenham temáticas como terapia e formas que ela ajuda o ser humano.
    Parabéns pela resenha, Mi!

    Um beijo <3
    Janela de Sorrisos

    ResponderExcluir

DEZOITO PRIMAVERAS - ONLINE DESDE 2012. DESIGN E PROGRAMAÇÃO POR MICHELLY MELO (Eu!). Todos os direitos reservados