A Pedra Pagã (Nora Roberts)


A Pedra Pagã
Nora Roberts
Editora Arqueiro
Sinopse: Partilhando visões de morte e fogo, os irmãos de sangue Cal, Fox e Gage e as mulheres ligadas a eles pelo destino, Quinn, Layla e Cybil, não podem ignorar o fato de que o demônio está mais forte do que nunca e que a batalha final pela cidade de Hawkins Hollow está a poucos meses de acontecer.

A boa notícia é que eles conseguiram a arma necessária para deter o inimigo ao unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo. A má notícia é que ainda não sabem como usá-la e o tempo está se esgotando.

Compartilhando o dom de ver o futuro, Cybil e Gage podem descobrir a resposta para esse enigma se trabalharem juntos. Só que, além de não terem nada em comum, os dois se recusam a ceder aos próprios sentimentos. Um jogador profissional como Gage sabe que se entregar a uma mulher como Cybil – com a inteligência, a força e a beleza devastadora dela – pode ser uma aposta muito alta. E qualquer erro de estratégia pode significar a diferença entre o apocalipse e o fim do pesadelo para Hawkins Hollow.

Em A Pedra Pagã, Nora Roberts encerra a emocionante trilogia A Sina do Sete, uma história sobre família, amor e amizade que consegue arrancar arrepios e suspiros de seus leitores.



A Pedra Pagã encerra a trilogia Sina do Sete da Nora Roberts. A história que conquistou os leitores desde o primeiro volume termina com um final surpreendente e mais do que esperado.

Recomendo que leia as outras resenhas antes: Irmãos de Sangue e A Maldição de Hollow.

Antes de os amigos Caleb, Fox e Gage chegarem a Pedra Pagã e fazerem o pacto de sangue e libertarem o demônio que existe há séculos, uma batalha já havia acontecido no mesmo lugar. Com o sacrifício que Giles Dent fez, o demônio ficou aprisionado até que os descendentes de Giles pudessem derrota-lo de uma vez por todas.

A cada sete anos, por sete dias, o demônio aterroriza a pequena cidade de Hawkins Hollow, mas neste ciclo sete ele está mais forte. Desta vez, ele conseguiu demonstrar o seus poderes fora do sete e os três amigos, junto com Quinn, Layla e Cybil terão que se preparar para o último ataque.

Na última visita que os seis fizeram a Pedra Pagã, eles conseguiram unir os três pedaços do jaspe-sanguíneo que Caleb, Fox e Gage carregam deste o pacto de sangue quando tinham 10 anos. De alguma forma, eles sentem que a união da pedra era o que eles precisavam para destruir o demônio de uma vez por todas. Mas ainda precisam descobrir como usá-la.




Neste livro iremos acompanhar a história do ponto de vista do Gage e da Cybil. Os dois compartilham o dom de ver o que poderá acontecer no futuro. Assim como Caleb e Quinn compartilham o passado, Fox e Layla compartilham o presente. Isso não agrada aos dois, pois sentem que são obrigados a estarem juntos como aconteceu com os outros.

Apesar de eles compartilharem o amor pelos amigos e estarem dispostos a fazer o que for necessário para protegê-los, os dois não deixaram que destino decida por eles.

Logo eles irão perceber que a resposta para destruir o demônio está no dom que compartilham. Uma visão poderá mostrar o caminho a seguir, mas tanto Gage como Cybil sabem que para deter o demônio será necessário um sacrifício. Assim como o antepassado deles, Giles Dent, fez na noite em que aprisionou o demônio. O que não será um problema para Gage. Ele está mais do que disposto a morrer pelos amigos e enfrentar o que ele já acreditava que seria o seu destino.

Mais uma vez, o amor é o ponto auge da história. Nenhum dos seis está disposto a deixar que alguém morra na batalha, mas sabem que algum sacrifício será necessário para vencerem o mal.

O próprio destino tratou de unir a equipe em casais, principalmente pelo dom que eles compartilham. Mesmo que não os agrade, Cybil e Gage sabem que se deixarem é o que irá acontecer com eles e os dois já perceberam que não são totalmente indiferentes ao outro. São dois personagens fortes, independentes e verdadeiros. Acredito que eles sejam o casal mais forte e real de toda a história pelo fardo que eles carregam. Nas suas visões, eles sempre enxergam a morte de seus amigos. A última batalha será decisiva e tudo o que conseguem ver é cada um morrendo em frente à Pedra Pagã.




O desfecho escolhido pela autora foi incrível. Apesar dos três livros serem pequenos, não achei que a história aconteceu de forma rápida ou que ficou algum ponto solto. A forma como os livros estão interligados e o fato de cada um ser apresentado por dois personagens diferentes também garante uma boa história.